Image Map

29 agosto 2015

Sozinho no meio da multidão...


Olá, meninas e meninos!

Esses dias tenho me inspirado a falar bastante de sentimentos gerais das pessoas, já perceberam? Ou porque eu esteja inserida nisso ou baseado nas histórias que as pessoas desabafam...Ou eu que estou sensível demais! hahaha

Pois é...já se sentiram fazendo parte de um ambiente do qual vc não tem mais a ver ou não se vê mais inserido nele? É estranho, né? E muito ruim! Como permanecer numa casa onde a dinâmica vc não aceita ou vc não é mais aceito por suas escolhas, brigas ou pela forma como as pessoas conduzem tudo, dos pontos mais simples aos mais complexos e vc fica ali, sem entender qual a lógica daquilo, se para vc não faz nenhuma?! Como continuar num ambiente profissional nocivo, onde não há união entre seus pares até para as tarefas mais simples ou vc sente que aquele trabalho que sempre gostou de fazer te entedia ou te deixa louca (o)? Ou seja lá em que situação vc se encontrar aí na sua vida que esteja te deixando se sentir mal em algum aspecto, como se vc simplesmente não pertencesse mais àquele lugar. Meio peixe fora d´água, sabe? É por aí...




Parece que tudo que vc observa ali está errado. E no seu modo de ver, está mesmo. Ok, se as pessoas querem deixar tudo do jeito que está ou empurrando com a barriga, não se importando com nada, até em incomodar o que está do lado. O problema é que vc não aceita mais e não quer mais fazer parte disso.

Imagine uma casa onde as pessoas isolam uma outra por conta de suas escolhas: essa pessoa não aceita que trabalho bom é o que acham que é bom para ela, ou porque essa pessoa se assume homossexual e seus pais transtornados não a querem mais ali como se já nem filho (a) mais fosse, ou porque a presença dessa pessoa no ambiente não é conveniente em questões financeiras pois tem direito a algo igualmente aos demais..e tantos outros exemplos afora dentro do contexto de família. Fora trabalho: desvalor, desmotivação, chefe que só exige mas não reconhece esforços, vc trabalha trabalha pra nada, faz 1000 coisas certas mas focam quando vc erra uma...quando errar faz parte de quem tenta acertar! Não posso imaginar quantos exemplos podem estar inseridos nesse tema e vc começa se sentir excluído não só da família e trabalho, mas parece que vc não se encaixa no mundo mais. Você se vê rodeado de pessoas que não o compreendem e também não fazem a menor questão disso, até mesmo aquelas que vc tinha como as que te amavam...deve ser doído quando pai e mãe colocam de lado um filho, seja lá qual for a motivação.




Sempre o melhor caminho é a conversa e expor tudo o que está sentindo em relação a isto, de como as coisas culminaram nessa situação e tentar expor que nada é tão importante assim comparado à convivência saudável entre si. Mas, se conversar está difícil, não insista, não se desgaste, não se chateie ainda mais ainda mais se não estiver preparado para ouvir o que não quer e diante disso, tomar decisões definitivas e irrevogáveis.

Porém, não tenha pena de si mesmo. Se as pessoas não o aceitam pelo que é ou porque suas escolhas não são adequadas para elas, dane-se! A vida é sua, faça o que quiser dela, desde que não prejudique ninguém, é claro!!! Mas se tiver a ver com suas escolhas profissionais, se vc gosta da sua namorada e sua mãe não, se vc se assume do jeito que é e os outros não querem entender..ok, eles têm esse direito, mas vc tbm tem o direito de se manter firme em sua posição e em suas escolhas. Se vc achar que é pertinente, procure ajuda profissional psicológica para procurar a melhor forma de lidar com essa situação, mas não se isole, continue fazendo suas coisas do melhor modo possível e sempre que puder, saia da situação. 




Não é questão de abandonar o barco, mas sim de procurar o que é melhor para si e, logo vai estar garantindo até uma melhor convivência com essas pessoas até. Muitas vezes, afastar-se de quem não compreende seu lado é a melhor forma de manter a paz, sempre que possível. 

Boa noite. ;)




Créditos: suellendyas.blogspot.com / fotolog.com /